quem somos

Somos mulheres de diversas idades, origens e lugares. Moradoras e militantes da Zona Oeste do Rio de Janeiro, donde se constrói muitas resistências em resposta às ameaças impostas pelo capital e pelo Estado em nome de um modelo de desenvolvimento que explora e esgota os bens naturais, nossos trabalhos, vidas e corpos.

Diante de conflitos ambientais de tantas ordens, nessa região, sentimos a necessidade de construir olhares e abordar estas realidades a partir das implicações diretas em nossa vida cotidiana. No processo, subvertemos ideias comuns sobre pesquisa e produção de conhecimento e desenhamos o que pode ser chamado de metodologia, pra nós, uma prática política investigativa que carinhosamente chamamos  Militiva: a militância investigativa.

Esse exercício nos permitiu caminhar, fofocar, acolher, escutar, comunicar, mobilizar e refletir coletivamente sobre as resistências e as alternativas em nossos territórios,  

partindo sempre das vivências, práticas e saberes compartilhados entre nós mulheres. Em dois anos de atuação pelos territórios, sistematizamos e comunicamos algumas das aprendizagens através da cartografia feminista Enfrentamentos aos Racismos pelos Olhares das Mulheres, que apresentamos a vocês na sessão “Cartografia Feminista”.

 

Enfrentamentos aos Racismos para afirmar que não é possível abordar os conflitos ambientais e as resistências protagonizadas pelas mulheres na Zona Oeste sem sua linha condutora: o racismo histórico, institucional, cotidiano, que sustenta o capitalismo patriarcal e ao qual resistimos e enfrentamos com auto-organização feminista e antirracista.

Vivenciamos a militância investigativa na busca potencializar as resistências que construímos cotidianamente em ambientes marcados por violências e conflitos.

 

Nosso Oeste aponta que existe vida e luta em nossos territórios, os quais inscrevemos no mapa e na história.